TELEFONE (11) 3666-9893 - Atendimento: 9:00 às 17:00

Parceiros

Celulares e tablets são usados para monitorar câmeras de vigilânciaPostado em: 2 de maio de 2012

A quantidade de câmeras que nos cercam em ruas, condomínios e estabelecimentos privados são grandes, porém que esta realidade chegou a um novo patamar com os aplicativos de CFTV (circuito fechado de TV) para celulares e tablets.  Esses aplicativos se conectam a sistemas de monitoramento via protocolo de internet (IP, na sigla em inglês) e permitem visualizar imagens das câmeras de vigilância remotamente, em tempo real.  As próprias companhias de CFTV disponibilizam os aplicativos de monitoramento, disponíveis tanto para tablets e smartphones com Android, sistema do Google, quanto para os dispositivos da Apple iPad, iPhone e iPod touch.  Você precisa de um sistema com câmeras ligadas a um DVR (gravador de vídeo digital) conectado à internet.  Os vídeos podem ser retransmitidos em dispositivos móveis ou em uma página especial para browsers, acessível mediante uso de senha. Tais configurações são normalmente realizadas pela empresa que instala o DVR.  Os programas têm recursos como tela dividida por quatro ou mais imagens de câmeras diferentes, zoom, recuperação de imagens antigas e “fotografias” de determinado momento. No Brasil, os apps EagleEyes, da Avtech, e iSIC, da Intelbras, estão entre os mais procurados. Segundo o engenheiro de pesquisa e desenvolvimento da Intelbras, Henrique Fernandez, o aplicativo iSIC já tem média mensal de 10 mil downloads por mês. “Temos utilizado o apelo de ‘monitorar seu patrimônio na palma de suas mãos’ como um forte argumento de vendas”, afirma Fernandez.  Segundo o executivo, há exemplos de famílias que vigiam melhor os cuidados de babás com seus bebês ou empresários que verificam o comportamento de seus funcionários. É o caso de Nicoli Geigner, dona de um restaurante em São Paulo.  “Foi a melhor coisa que me aconteceu. Antes eu não tinha vida, agora consigo acordar e ver logo o que está acontecendo no trabalho”, descreve Geigner, que usa iPhone e iPad para observar o movimento de maneira remota.  Para o diretor da Abese (Associação Brasileira de Segurança Eletrônica), Oswaldo Oggian, a má qualidade da internet móvel no Brasil ainda é o maior inimigo desse tipo de aplicativo. “As soluções de banda larga no país ainda são muito incipientes. Às vezes o usuário tem acesso, às vezes não tem.”  “As pessoas ficam um pouco reféns do próprio patrimônio, mas é um fato normal. Todos querem saber o que está acontecendo em sua empresa”, afirma André Luiz Araújo Jr., da Câmeras Via Internet, assistência especializada em sistemas CFTV.