TELEFONE (11) 3666-9893 - Atendimento: 9:00 às 17:00

Parceiros

Em um mundo de máscaras, desbloqueio por biometria facial vira problemaPostado em: 5 de maio de 2020

Além do impacto negativo nas vendas, as fabricantes de smartphones se depararam com mais uma surpresa por consequência pandemia do novo coronavírus: sistemas de desbloqueio por biometria despreparados para reconhecer a versão mascarada de seus usuários. Tudo bem, Samsung, Motorola, Huawei, Xiaomi e LG mantiveram o bom e velho sensor de digital em seus celulares mais modernos. Isso significa que os donos destes aparelhos não terão a mesma dor de cabeça de quem comprou um iPhone de última geração nos últimos três anos.

Afinal, desde o iPhone X, a Apple aposentou o desbloqueio por digital, chamado de Touch ID, em prol do Face ID. É com o rosto que você destrava a tela do celular, visualiza notificações com conteúdo oculto na tela bloqueada ou autoriza pagamentos feitos por meio do Apple Pay. O sistema é rápido e eficiente, com bom funcionamento até em situações de pouca luz, levando vantagem em relação à biometria por reconhecimento facial de smartphones concorrentes. Porém, em um mundo onde usar máscaras que cobrem metade do rosto virou recomendação ou até obrigação, toda intuitividade e agilidade proporcionada pelo Face ID foi inutilizada.

Há até orientações (não oficiais) de como fazer com que o iPhone te reconheça mesmo quando você está de máscara, mas, ao testá-las, não obtivemos sucesso. Quando o recurso não funciona, o celular coloca passos a mais para que você insira sua senha e consiga acessar o que quer. Se isso ocorre uma vez, não é um problema. Porém, como a falha vira a regra quando o usuário está de máscara, o processo mostra sua fraqueza. Pense: quantas vezes por dia você tira o celular do bolso e o desbloqueia? Seguindo as recomendações de distanciamento social e quase não saindo de casa, minha média é 84 vezes. O número era maior quando imperava a normalidade, com viagens de transporte público, idas a mercados, shoppings e parques.

Considere que essas mais de 80 mexidas no celular resultam em um reconhecimento biométrico em falso, solicitando sua senha. São minutos a mais do seu dia gastos com um procedimento que tinha virado coisa do passado, substituído pela conveniência do Face ID — ou o equivalente em celulares que não sejam da Apple. Mudanças e soluções A Apple está ciente do problema, tanto que trabalha em uma otimização do processo de introdução de senha. Segundo notou o blogueiro Guilherme Rambo, a terceira versão beta do iOS 13.5 faz com que o iPhone identifique quem pega o celular de máscara e já abre a tela para inserção da senha, sem pedir que você deslize para cima.

 

Fonte: UOL