TELEFONE (11) 3666-9893 - Atendimento: 9:00 às 17:00

Parceiros

Máscara, precaução e ‘espera pela segurança’: como será a vida pós-vacina?Postado em: 5 de janeiro de 2021

O início da distribuição da vacina contra Covid-19 em alguns países é um sinal esperançoso no fim de um ano marcado pela pandemia e as restrições que ela trouxe.

No entanto, especialistas concordam que ainda levará tempo até que a normalidade volte a ser segura.

Como disse Anthony Fauci, principal autoridade em doenças infecciosas dos Estados Unidos, não é como “ligar e desligar um interruptor”. “Vai ser gradual. Serão meses para vacinar pessoas suficientes para abrir um guarda-chuva de imunidade sobre a comunidade”, disse.

A vacina é o fim da pandemia?

Apesar de ser uma ferramenta poderosa, a vacina sozinha não significa o fim da pandemia.

“Vacina não quer dizer zero Covid”, disse Michael Ryan, diretor de emergências da OMS (Organização Mundial de Saúde), durante entrevista coletiva à imprensa. “A vacinação vai acrescentar uma ferramenta enorme às que já temos, mas sozinhas, não farão o trabalho”.

A distribuição dos imunizantes e o alcance de uma parcela suficiente da população vacinada para reduzir os números são alguns dos entraves nos próximos meses.

Além desses, ainda não há dados sobre a eficácia da vacina em algumas populações, como de pessoas com deficiência e crianças.

“Pelo menos por um bom tempo, até termos certeza que a circulação foi controlada, que não temos um número de casos significativo, principalmente nas populações de maior risco, até lá continuaremos tendo que ter cuidados”, disse Marcelo Otsuka, infectologista e coordenador da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia. “Nesse momento, a gente não pode afirmar nada ainda”.

Ainda teremos que usar máscaras?

Todos os cuidados — distanciamento, higienização das mãos e, sim, o uso de máscara — continuarão sendo necessários até que a quantidade de pessoas vacinadas seja “suficientemente grande”, explicou Antônio Bandeira, diretor da Sociedade Brasileira de Infectologia, à CNN.

Ele também ressaltou que a vacina gera anticorpos, em média, depois de dez dias da aplicação.

No período entre uma dose e outra, devo tomar precauções?

Das quatro vacinas testadas no Brasil (Oxford, Coronavac, Pfizer e Janssen), ao menos três requerem duas aplicações, com intervalo de alguns dias, para serem efetivas.

Sem ambas as doses, a eficácia da vacina pode não ser a mesma. “Algumas vacinas requerem uma segunda dose. É possível que você tenha algum grau de imunidade algumas semanas depois da primeira dose, mas não será o grau ideal”, disse Fauci à CNN. “Depois da segunda dose, você consegue a imunidade ideal a partir de 7 a 10 dias. A eficácia foi tão alta que bem poucas pessoas que foram vacinadas foram contaminadas durante os testes clínicos”.

“Mas se um indivíduo falhar [em tomar a segunda dose], o esperado é que ele desenvolva sintomas como se não tivesse sido vacinado”, alertou.

 

Fonte: CNN